Primeiro livro já disponível

O Lugar das Árvores Tristes

O Lugar das Árvores Tristes

Escritora

Estes dias | 11

Na televisão, as notícias não eram animadoras. O país chegara ao ponto de precisar de policiamento constante. O Estado decidira que todas as cidades seriam alvo de patrulhamento: pares de polícias fariam rondas casa a casa, na tentativa de identificarem todas as pessoas que não se comportassem em conformidade com o que fora decretado semanas […]

Estes Dias | 10

Esperança tinha vários problemas de saúde. Falta de audição não era um deles. Baixou o som da televisão quando lhe pareceu ouvir uma tremedeira, quase como se fosse um telemóvel a vibrar. Esperou para ver se percebia de onde vinha o som. Levantou-se do sofá e foi percorrendo a casa devagarinho, encostando o ouvido às […]

Estes Dias | 9

Alzira trancou-se no quarto. O barulho da televisão ligada no programa da manhã da apresentadora histriónica era só mais uma coisa a beliscar-lhe os nervos, já bastante esfrangalhados pela curta estadia da vizinha. Deitou-se em cima da cama e fixou um ponto no tecto. Contou até 10. Depois até 50. Valia tudo para tentar acalmar-se. […]

Estes Dias | 8

Alzira arrumou a cozinha quando Esperança acabou o pequeno-almoço. Sentada num banco, a vizinha trauteava uma música antiga e os nervos de Alzira a enlearem-se como novelos de lã nas patas de gatos ariscos. Não havia forma nenhuma de olhar para aquela situação sob uma perspectiva positiva. Na televisão, continuavam os directos dos vários pontos […]

Estes Dias | 7

Esperança sentou-se à mesa, procurando o saco do pão com o olhar. Alzira mirava-a de lado, sem abrir a boca. Não queria crer que aquela mulher achasse que iam partilhar um pequeno-almoço, como companheiras de casa. Foi exactamente isso que Esperança fez. Perguntou a Alzira onde estavam as canecas, mas não esperou pela resposta — […]

Estes Dias | 6

Quando perdeu a esperança de que Esperança se pusesse a andar, Alzira vasculhou o fundo do roupeiro à procura de uma almofada e de um cobertor. Não queria tornar a estadia da mulher demasiado confortável, mas a sua educação não lhe permitia ser má anfitriã. Esperança instalou-se no sofá, pediu a Alzira que lhe ajeitasse […]

Estes Dias | 5

Alzira sentiu o novelo que tinha no peito enrolar-se cada vez mais. Não tarda seria um gato a vomitar bolas de pêlo. Esperança, sentada num banco da cozinha, olhava tudo à sua volta. Também Alzira não gastara dinheiro em remodelações. Viviam ambas naquele prédio há quarenta anos e a construção antiga é que era boa, […]

Estes Dias | 4

Quando Esperança abrandou finalmente o coração, Alzira quis saber o que fora aquilo. A que propósito é que lhe tinha entrado assim, casa adentro, sem ser convidada? — Ó vizinha, você não ouviu a barulheira? — Ouvi e não percebi o que se passou — respondeu Alzira. — Você sabe que o meu Alfredo tem andado […]

Estes Dias | 3

O pior dia da vida de Alzira começou como todos os outros: uma caneca de café de saco e um papo-seco com manteiga engolidos calmamente, depois de tirados os rolos do cabelo e de trocada a camisa de dormir pela bata de andar por casa. Era uma terça-feira, dia que Alzira dedicava a limpar o pó […]

Estes Dias | 2

Esperança era a vizinha da frente e a única de quem Alzira não conseguia escapar. Desistira de tentar há muitos anos, na verdade. Esperança conseguia perceber quem entrava no prédio pela forma como a porta da rua abria. E, sempre que pressentia Alzira, arranjava o que fazer no patamar. Ora era a árvore da borracha que […]